Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home » Destaque » POSIÇÃO DO GREENPEACE SOBRE ATAQUE AOS CARROS DO IBAMA

POSIÇÃO DO GREENPEACE SOBRE ATAQUE AOS CARROS DO IBAMA

POSIÇÃO DO GREENPEACE SOBRE ATAQUE AOS CARROS DO IBAMA

Na madrugada desta quinta-feira, oito caminhonetes do Ibama foram incendiadas na rodovia BR-163, na altura de Cachoeira da Serra, no município de Altamira, no Pará. Em reação ao ataque, o órgão determinou o bloqueio de todas as serrarias da região de Novo Progresso, a principal cidade do sudoeste paraense, e pediu o apoio da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal para apurar o incêndio e reforçar a segurança. A região onde ocorreu o crime tem sido alvo constante de fiscalizações do Ibama contra desmatamento e garimpo ilegal.

Também na quinta, o ativista Ademir de Souza Pereira foi executado a tiros em Porto Velho, Rondônia. Ademir participava da Liga dos Camponeses Pobres de Rondônia (LCP) e estava no local para participar, juntamente com a esposa, de uma reunião no Incra.

“Na Amazônia, os crimes contra as comunidades locais e o meio ambiente estão fora de controle. A população e a floresta sempre foram vítimas da falta de governança, mas o atual governo está piorando em muito a situação”, avalia Marcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace. “O que vemos é uma consequência direta das políticas patrocinadas por Temer e pela bancada ruralista. Eles têm a mancha da violência e do desmatamento nas mãos”, comenta.

Os crimes acontecem no momento em que o país registra novos recordes de violência no campo. De acordo com a CPT (Comissão Pastoral da Terra), os cinco primeiros meses de 2017 registraram 37 mortes no campo – é o início de ano mais violento do século. 2016 já havia batido esse triste recorde, com 61 assassinatos. A violência cresce exponencialmente juntamente com o desmatamento, que subiu 29% em 2016 – a maior taxa dos últimos oito anos.

Os ataques à agenda socioambiental não são recentes, mas o enfraquecimento dos sistemas de proteção do meio ambiente e dos direitos humanos vem crescendo rapidamente desde que Michel Temer assumiu a presidência e, consequentemente, a bancada ruralista passou a integrar o centro do poder. Desde então, já houve cortes de verbas no orçamento do Ministério do Meio Ambiente e na Funai; a Medida Provisória 759, que beneficia a grilagem de terras, foi aprovada no Congresso; o licenciamento ambiental pode ser enfraquecido por novo Projeto de Lei; e grandes áreas de terras da União podem ser liberadas para venda para estrangeiros.

Assessoria de Imprensa
Jéssika Oliveira

Check Also

Morre jornalista Marcelo Rezende aos 65 anos, vítima de câncer

Morre jornalista Marcelo Rezende aos 65 anos, vítima de câncer O jornalista Marcelo Rezende morreu, …