Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home » Destaque » População se mobiliza e ajuda pagar fiança de R$3 mil fixada pela Justiça para morador que atirou na cabeça de ladrão em Novo Progresso

População se mobiliza e ajuda pagar fiança de R$3 mil fixada pela Justiça para morador que atirou na cabeça de ladrão em Novo Progresso

População se mobiliza e ajuda pagar fiança de R$3 mil fixada pela Justiça para morador que atirou na cabeça de ladrão em Novo Progresso

A população do município de Novo Progresso, se mobilizou nas redes sociais, realizando uma espécie de “vaquinha”, para ajudar a pagar fiança de 3 mil reais, fixada pela Justiça, para que o morador Evandro Shoeniger, que atirou na cabeça de ladrão na última sexta-feira (04), possa respondar em liberdade.
Evandro e o irmão, Adriano.
A mobilização no Whatsapp e Facebook, para ajudar na arrecadação do montante estipulado, gerou um valor total de 1600 reais, que foi repassado ao irmão de Evandro, Anderson. Segundo a família, a outra quantia foi pago pelo pai do morador, em forma de empréstimo.
Foto: Reprodução
Em audiência de Custódia, a juíza Liana da Silva Hurtado Toigo, respondendo pela Vara Cível de Novo Progresso mandou soltar Evandro, que estava preso na Delegacia de Novo Progresso, mediante o pagamento da  fiança estipulada. Quitado o montante, Evandro foi liberado sábado (05) e responderá em liberdade.
O Caso
O caso aconteceu na madrugada da última sexta-feira (04), por volta das 2h20, no bairro Jardim Planalto, em Novo Progresso. Rodrigo Luis Barros, de 43 anos e um menor, de 11 anos, invadiram a residência de Evandro para realizarem assalto.
O proprietário, ao avistar do quarto em que estava, a ação dos assaltantes, reagiu à invasão, pegou uma arma e disparou contra um dos bandidos. O tiro acertou a cabeça de Rodrigo que não resistiu e morreu na manhã de sábado (05), após 24 horas internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Hospital Municipal.
Rodrigo Luis Barros, 43 anos.
Evandro foi detido em flagrante e levado à delegacia de Polícia Civil. Ele disse a Polícia que atirou para assustar os invasores, pois temia acontecer alguma coisa atípica, e que não atirou para matar. Após o disparo ele imaginou não ter acertado, pois houve silêncio absoluto no local.
O menor está custodiado no Conselho Tutelar do município, onde aguarda decisão da justiça.

Fonte: Folha do Progresso

Check Also

Morre a médica Paula Eloá, que há mais de um ano lutava pela vida após acidente de trânsito

Morre a médica Paula Eloá, que há mais de um ano lutava pela vida após …