Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Home » Destaque » “Criei minhas filhas fazendo pornô”, afirma atriz

“Criei minhas filhas fazendo pornô”, afirma atriz

(Foto: Reprodução/ Instagram)

Nos últimos dias, a atriz pornô paranaense Marcia Imperator, 42 anos, deu declarações sinceras e ousadas sobre sua vida e seu trabalho com filmes de sexo ao portal UOL.

Marcia trabalhou desde os 7 anos com os pais, em uma lavoura em uma cidade do interior de Santa Catarina. Chegou a passar fome e aos 14 anos, “casou” com um trabalhor rural da área. Seu marido, no entanto, queria continuar trabalhando no campo, o que não era o objetivo da jovem.

Em sete anos de casamento, eles tiveram três filhas e se separaram quando Marcia tinha 21 anos. “Aí, aluguei uma casinha em Florianópolis (SC) e ralei muito para sustentar minhas meninas. Trabalhei como faxineira, ajudante de cozinha, doméstica… Só que, por mais que eu me desdobrasse, o dinheiro nunca era suficiente. Então, em 1999, pra me livrar de um namorado possessivo, acabei me mudando para a casa de uma amiga em São Paulo”, revelou.

 

 

Foi aí que sua vida começou a mudar. “Essa minha amiga tinha conhecidos na TV e conseguiu que eu fizesse algumas pontas em programas de auditório. Aí, me ofereceram um teste para participar do quadro Flagrante, do programa Eu Vi na TV, com o João Kléber, que passava na RedeTV!. Como eu nunca tinha assistido, não sabia do que se tratava, mas topei mesmo assim. Chegando lá, a produtora achou que eu tinha mais o perfil de outro quadro, o Teste de Fidelidade, em que uma atriz ou ator sensuais tentam seduzir alguém a pedido do seu cônjuge. Quando eu disse que não tinha namorado, ela logo perguntou: “Topa ficar de calcinha e sutiã e beijar o convidado?”. Eu estava solteira, era bonita e segura do meu corpo. Por que não? Mandei tão bem que eles me aceitaram na hora! Me divertia gravando o quadro e, aos poucos, fui ficando conhecida. Só que, quando chegava o pagamento, era uma tristeza só: cerca de R$ 1.000 por mês. Quando completei um ano no programa, fiquei muito conhecida e não podia mais fazer o quadro. Por isso, fui dispensada. Passei a fazer shows de strip-tease pelo Brasil até encontrar um empresário que me convidou para fazer um filme pornô”, comentou.

CARREIRA PORNÔ

Segundo Marcia, a primeira atitude que tomou após o convite foi conversar com seus pais para ver o que eles achavam. “Expliquei que o pagamento era uma bolada (cerca de R$ 30 mil por meia hora de filme!) e que eu gostaria de fazer. Eles sempre confiaram nas minhas escolhas e disseram que me apoiariam. Também conversei com minhas filhas, que na época estavam com 11, 9 e 7 anos. Elas não entendiam muito bem a situação, mas percebiam que o que eu estava fazendo era pelo bem delas. E era mesmo”, enfatizou.

A primeira cena de sexo, no entanto, demorou a dar certo. “Fiquei me arrumando em um quarto e só fui apresentada ao meu parceiro na hora da cena. Eles me instruíram sobre como seria o desenrolar da história e que deveríamos começar pelo beijo, para então partir para o sexo oral e, finalmente, para a penetração. Fiquei supernervosa e não consegui me soltar. Aí, o diretor pediu para que só quem era imprescindível ficasse no set e me deu um pouco de uísque. No final, bebi quase a garrafa toda! Fiquei tão à vontade que atingi o orgasmo no fim da gravação!”.

Uma das filhas Marcia, Micheli Burate, já fez ensaios sensuais. Foto: Divulgação

Após o primeiro filme, a carreira de Marcia decolou e ela recebeu convites para participar de outras 13 produções nos seis anos seguintes. “Fiquei famosa até no exterior! Contracenei com diversos atores famosos no meio, como o Alexandre Frota. Fiz meu trabalho com muito empenho, me esforçando para me soltar e para sentir o prazer que estava demonstrando. Nunca fiz nenhuma cena que me desagradasse e, se sentisse o menor desconforto, já pedia para parar”.

 

RESPEITO

Na entrevista, a musa revelou também um desejo: o de mais respeito com a profissão. “Queria que as pessoas entendessem que um filme pornô é uma arte e um trabalho como qualquer outro. Sei que o que fiz ajudou a inspirar outras mulheres na cama, pois muitas já me disseram que buscaram conhecer seu corpo e ter mais prazer. Desde 2007, trabalho apenas fazendo shows de strip-tease em casas noturnas e gosto muito. Não fiquei rica, mas dá pra viver com dignidade. Não me arrependo de nada do que fiz e acredito que ninguém tem o direito de me julgar!”, destacou.

Por fim, disparou: “‘Transar você já vai de qualquer maneira. Melhor fazer isso ganhando dinheiro e sustentar suas filhas do que fazer de graça e passar fome’.  Todo mundo faz sexo. Qual o problema de as pessoas me verem fazendo?”, finalizou.

(Com informações do portal UOL)

Check Also

Morre jornalista Marcelo Rezende aos 65 anos, vítima de câncer

Morre jornalista Marcelo Rezende aos 65 anos, vítima de câncer O jornalista Marcelo Rezende morreu, …